CURITIBA – Um mandado de prisão inesperado, expedido na 27534ª fase da Operação Lava Jato, pode colocar por água abaixo o bolivariano sonho de Nicolás.

A assessoria de imprensada Justiça Federal de Curitiba confirmou na tarde de hoje que o juiz federal Sergio Moro determinou a prisão preventiva de Nicolás Maduro, que até a presente data ocupa a presidência da república venezuelana.

Resta evidente, com base nos recentes fatos ocorridos naquele país, que a liberdade de Nicolás Maduro representa risco à ordem pública, o que torna pertinente sua prisão preventiva, com espeque no art. 312 do Código de Processo Penal”, diz a decisão.

Apesar da ordem judicial, Maduro declaro por meio de sua assessoria que pretende impetrar um habeas corpus na suprema Corte venezuelana para garantir sua permanência em liberdade.

A decisão do juiz Moro peca por não fundamentar os motivos pelos quais não aplicou medidas cautelares diversas da prisão, tais como o uso de tornozeleira eletrônica, por exemplo”, disse o jurista Jacinto Pinto Aquino Rego, emérito catedrático da faculdade de direito da Universidade Federal de Lapão Roliço.

Nossa equipe entrou em contato com o japonês da Federal, mas não foi possível confirmar a data em que será feita diligência para prender Maduro.

Uma vez efetuada a prisão, quem assume a presidência da Venezuela é o Aécio.

SHARE
Previous articleFolha de São Paulo passa a tratar Coreia do Norte como ditadura
Next articleJovem acreano reaparece e diz que estava com Ulisses Guimarães e o padre do balão
Joselito Müller é um personagem fictício que retrata as notícias do cotidiano. Numa classificação, seria um super-herói defensor dos… Defensor de nada, Joselito Muller é um personagem fictício que faz paródia de figuras públicas em situações cômicas. Nada é neste site é verdade, mas poderia ser. Além do charme, Joselito Müller é um competente jornalista, pioneiro no jornalismo de ficção brasileiro. Foi eleito três vezes consecutivas como um dos maiores filhos da puta da América Latina, além de ter sido indicado para o Pulitzer de reportagem mais escrota em 2013 e 2014.

2 COMMENTS

Deixe uma resposta