Freixo processa sociedade patriarcal por tê-lo tornado machista

RIO DE JANEIRO – O ex-candidato à prefeitura do Rio de Janeiro, Marcelo Freixo, deu entrada numa ação, na manhã de hoje, na qual pede que “a sociedade patriarcal” lhe pague quantia em dinheiro por tê-lo tornado machista.

Freixo, que nesta semana foi chamado de machista pela sua ex-mulher, justificou sua conduta atribuindo a responsabilidade de seus atos à sociedade patriarcal, “na qual todos os homens são machistas”.

A justificativa, que muitos compararam à do ator José Mayer no caso da figurinista, despertou manifestação de solidariedade do ator, que publicou em sua conta no Orkut a frase “Que satisfação, aspira”, acompanhada de uma foto do personagem Capitão Fábio, do filme “Tropa de elite”.

Os advogados de Freixo alegam que “a nefasta influência do patriarcado sobre Freixo fez com que ele agisse de modo exatamente contrário ao que prega que os outros ajam. Sabe-se, no entanto, que na sociedade capitalista e machista, o indivíduo não pode ser responsabilizado pelos próprios atos, já que a culpa daquilo que faz é da sociedade, não sua”.

Se a ação for julgada procedente, cada contribuinte terá um acréscimo no pagamento do imposto de renda, que será destinado ao dito cujo, a título de danos morais.

Caso eu ganhe a ação, vou usar o dinheiro para me reeducar e deixar de ser machista”, afirmou Freixo.

Posts Relacionados

Processado por Rosário, Gentili se autoproclama “de menor” e se livra de prisão

Queiroz passa mal ao saber de possível soltura de Lula e não foi depor

Joselito Müller aterroriza petistas em Curitiba. Veja o vídeo.

4 comentários

Paulo Brasil 04/05/2017 - 4:58 PM

Processe o seu pai o avo o bizavo e VTNC.

unidadenoespirito 04/05/2017 - 2:13 PM

Sociedade patriarcal entra com recurso pedindo liminar argumentando apropriação cultural indevida por parte de Freixo.

Lucilio Santos 04/05/2017 - 11:04 AM

O PSOL E UM PARTIDO POLITICO COMUNISTA os regimes comunistas tornaram o crime em massa uma forma de governo”. Usando estimativas não oficiais, apresenta um total de mortes que chega aos 94 milhões. A estatística do número de mortes dado por Courtois é a seguinte:
20 milhões na União Soviética
65 milhões na República Popular da China
1 milhão no Vietname
2 milhões na Coreia do Norte
2 milhões no Camboja
1 milhão nos Estados Comunistas do Leste Europeu
150 mil na América Latina
1,7 milhões na África
1,5 milhões no Afeganistão
10 000 mortes “resultantes das ações do movimento internacional comunista e de partidos comunistas fora do poder.

Adicionar comentário