NATAL/RN – Após divulgação da notícia de que a vida da presidente Dilma Rousseff virará filme, o célebre curtametragista de Natal, Rio Grande do Norte, Marcolino Jaguatirica, anunciou que pretende filmar uma paródia da vida da plenipotenciária do gênero “terror comédia como nunca visto neste país”, enfatizando os aspectos mais toscos e incômodos da vida da ex-terrorista.

“Pouca gente sabe, mas Dilma só teve um emprego na iniciativa privada durante toda sua vida”, diz o cineasta. “Ela foi contratada como auxiliar de almoxarife, mas foi demitida menos de um mês depois, porque a empresa faliu. A partir daí ele decidiu voltar para a militância política”, esclarece.

Ele revela também alguns fatos inusitados, como o destino dado ao dinheiro roubado da Casa do Ademar de Barros.

“Foi muita grana que desapareceu e até hoje não há explicação para o caso. Na verdade, tudo indica que ela ficou vivendo de renda até decidir investir parte do dinheiro em linhas telefônicas, que antigamente eram muito caras e tinha muita gente que as alugava e vivia com essa renda.

Após as privatizações, com a popularização da telefonia, as linhas passaram a valeu quase nada e ela teve que procurar outro modo de ganhar a vida, foi aí que decidiu abrir a famosa lojinha de 1,99.”

Jaguatirica explica que Dilma se reaproximou da militância política durante as manifestações contra a privatização da telefonia. “Ela sabia que aquilo ia fazer com que suas linhas telefônicas passassem a valer quase nada. Na época era a única fonte de renda dela.”

Posteriormente, segundo o cineasta, a loja de 1,99 de Dilma faliu, e ela acabo retornando à política.

“Foi uma ascensão gradual, pois ela começou ocupando um cargo de assessora de cafezinho e anos mais tarde, como ela se demonstrou inepta para as funções mais triviais, o ex-presidente Lula a colocou como sucessora, achando que mandaria nela durante todo o mandato”.

O cineasta diz que o autor do roteiro é o polêmico bloguista Joselito Müller, que já respondeu a vários inquéritos na Polícia Federal a pedido de figurões do governo.

“Ainda não temos data para começar a preparar o elenco para as gravações, pois ainda temos que angariar recursos para tanto”, explica. “Diferentemente do filme que os puxa sacos dela vão fazer, o nosso não tem grana estatal”, informa.

“Se até os mensaleiros conseguiram grana para pagar as multas aplicadas em razão dos crimes que cometeram, talvez a gente consiga mobilizar pessoas para contribuírem com esse projeto, que tem tudo para ganhar o Oscar de melhor filme estrangeiro e o Nobel de cinebiografia non sense”.

SHARE
Previous articleGrupo LGBT processa Riachuelo por propaganda heterossexual
Next articleLiminar proíbe venda de biografias não autorizadas de ministros do STF
Joselito Müller é um personagem fictício que retrata as notícias do cotidiano. Numa classificação, seria um super-herói defensor dos… Defensor de nada, Joselito Muller é um personagem fictício que faz paródia de figuras públicas em situações cômicas. Nada é neste site é verdade, mas poderia ser. Além do charme, Joselito Müller é um competente jornalista, pioneiro no jornalismo de ficção brasileiro. Foi eleito três vezes consecutivas como um dos maiores filhos da puta da América Latina, além de ter sido indicado para o Pulitzer de reportagem mais escrota em 2013 e 2014.

Deixe uma resposta