São Paulo – Longe de ter um fim, a vida do Travesti Charleston da Silva tem sido de muita opressão. Por estar em uma condição de gênero pouco usual, mas cada vez mais na moda, o sujeito que gosta de ser chamado de “Vêronica” disse que tem sido alvo de bullying na cadeia.

“Só porque eu espanquei uma velha de 73 anos eu sou uma criminosa? Essa velha chamou meu pai de coxinha! Onde já se viu? Isso é um reconceito e agressão desnecessária.” Disse Charleston ao nosso correspondente.

De infância humilde, Charleston conta que a vizinha abusava constantemente, fritando bolinhos de chuva e convidando as pessoas para refeições ao domingo.

“Ninguém merece comer frango com nhoque de domigo! Isso é uma afronta ao movimento LGBTXYZ! Isso é uma opressão a quem não tem família ou não sabe fazer nhoque”, diz o sr. Charleston da Silva, no meio de uma crise de soluço e choro.

O rapaz também disse que tem planos de abrir uma pastelaria que venda o já famoso Pastel de Orelha, e que muitos policiais e até mesmo o Sindicato dos Agentes Penitenciários serão convidados. Segundo Veronico, arrancar a orelha do agente foi um acidente. A intenção de Charleston Veronico seria de contar um segredo ao pé do ouvido, porém estava 3 dias fazendo um regime e bateu aquela fome.

Veronico também quer se candidatar a política e formar uma família com uma famoso político do Rio de Janeiro que apoia a causa gay. “Nesse momento só quero curtir minha fama e talvez um dia eu chegue ao BBB20!

“O único problema é que no BBB não poderei usar drogas abertamenta, principalmente o crack que tanto gosto. Vou pedir ao Bial pra ver se posso espancar alguns participantes que forem eliminados, só pra não perder o costume!”, diz ele.

 

Deixe uma resposta