A polêmica sobre a chamada ideologia de gênero ganhou um elemento a mais esta semana com a publicação da obra “Memórias do Tirésias brasileiro – Relatos de um ex-transexual que voltou a ser homem do sexo masculino”, de autoria de Waldemar Waldir Wando Waldick.

Waldemar, que nasceu com o nome de Rodrigo Rodrigues Ramires Rodolfo, se tornou transexual ao se submeter, aos quinze anos de idade, a uma cirurgia de “mudança de sexo”.

Após viver alguns anos como mulher, no entanto, época em que respondia pelo nome de Shirley Sheyla Suellen Samara de Souza, Waldemar decidiu redefinir radicalmente os rumos de sua vida.

Cansei de ser mulher, porque esse negócio de menstruar todo mês enche o saco. Além disso, percebi que eu tinha mais vocação para ser homem mesmo, já que dirijo muito bem. Foi aí que me tornei sapatão e daí para tomar a decisão de voltar a ser homem de novo foi um salto.”

Waldemar revela que hoje já está devidamente adaptado à sua nova condição de homem e tem uma rotina comum como a de qualquer outro.

Gosto de passar o sábado sentado no sofá de cueca, assistindo filmes de guerra enquanto minha mulher faz o almoço e me traz cerveja. À noite sempre vou ao bar jogar sinuca com a rapaziada e de vez em quando vou ao puteiro me divertir”, revela.

No seu livro, Waldemar fala de suas experiências e se posiciona frontalmente contrário à ideologia de gênero.

Adotei aquele aforismo de Parmênides, que diz: ‘Não é o que não pode ser’”.

* Sugerido por Alexandre Coimbra Gomes

4 COMMENTS

Deixe uma resposta