BRASÍLIA, DF, 06.05.2015: GOVERNO-CONGRESSO - Discussão entre os deputados Roberto Freire (PPS-SP), Jandira Feghali (PCdoB-RJ) e Orlando Silva (PcdoB-SP) - Sessão no plenário da Câmara dos Deputados, sob o comando de seu presidente, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para votação da medida provisória. MP 665, que tem como ponto central o endurecimento das regras para a concessão do seguro-desemprego, em Brasília (DF), nesta quarta-feira (6). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

O deputado federal Roberto Freire voltou a falar sobre o incidente ocorrido no plenário da Câmara, que suscitou uma acusação contra sua pessoa de ter agredido a deputada comunista, Jandira Feghali.

Segundo Freire, “em momento algum eu tive intenção de agredir a deputada. A minha ação, como vocês podem ver no vídeo, foi só segurar a mão dela”.

O deputado justifica o que chamou de “ação instintiva”, dizendo que “no momento da confusão eu estava discursando, olhei de soslaio e pensei que fosse um ‘viado’. Como já fui assaltado diversas vezes por travestis lá em Recife, segurei a mão dela para evitar dela bater minha carteira.”

O deputado pernambucano diz que em certo trecho da orla recifense é comum pessoas serem vítimas de travestis, que praticam roubos constantes no local.

“Tem uns que dizem ainda que estão somente pegando o dinheiro do programa, acusando o cidadão de ter comido e não pago.”

Ele avalia que “devemos convir que a Jandira tá a cara do Laerte. Qualquer um, mais desatento, confundiria assim como eu confundi.”

Freire explica também que o termo “viado”, com “i”, é algo distinto do animal “veado”.

“Mas esse é um assunto para outra hora”, finalizou.

A declaração de Robeto Freire foi considerada “homofóbica e preconceituosa” por diversas entidades defensoras dos direitos civis, entre as quais a Associação dos Pederastas de Brasília, que anunciou que pretende processar o deputado.

SHARE
Previous articlePassageiro quase mata uma moça com chulé violento, leia o relato do drama
Next articleACM aparece no casamento de Preta Gil
Joselito Müller é um personagem fictício que retrata as notícias do cotidiano. Numa classificação, seria um super-herói defensor dos… Defensor de nada, Joselito Muller é um personagem fictício que faz paródia de figuras públicas em situações cômicas. Nada é neste site é verdade, mas poderia ser. Além do charme, Joselito Müller é um competente jornalista, pioneiro no jornalismo de ficção brasileiro. Foi eleito três vezes consecutivas como um dos maiores filhos da puta da América Latina, além de ter sido indicado para o Pulitzer de reportagem mais escrota em 2013 e 2014.

30 COMMENTS

  1. pela às explicações do mala sem alça o deputado R Freire deo a entender Que ele tem andado muito envolvido com os travecos lá de Recife se ele confundiu a deputada é por quê ele deve ter envolvimento com algum travestis que se semelha com a parlamentar é minha opinião

  2. JÁ RI DEMAIS COM O EPISÓDIO,VALEU O DOMINGO PRA MIM.FICO IMAGINANDO a
    cena,esse tal congresso é realmente um circo..MAS QUE JANDIRA É FEIA É , E QUE PARECE TRAVECO PARECE MESMO…KKKKKKKKKKKKK

  3. O fato de o Deputado frequentar zonas de prostituição transsexual não lhe dá direito de agredir moralmente e incitar violência de gênero.

  4. …e pensar que eu já considerei RF um dos políticos menos safado… Depois de velho virou isso…

  5. Pelas publicações do Deputado no FB intui-se que ele anda muito estressado. Sua atitude e seu discurso em relação a este episódio chegam a ser engraçados. Tem que perdoar e ignorar o ocorrido no desentendimento com a Deputada Jandira em respeito à idade e a trajetória política do Deputado Roberto Freire. Há alguns dias fiz uma crítica a uma publicação dele no FB e ele me mandou “tomar tento”. Ainda bem que falou “tento”.

  6. Este verme, não serve nem para lavar os pés de Jandira Feghalli! Ela me representa, este vrrme, não! Não e atoa

  7. Esse senhor já foi considerado um grande brasileiro quando fazia parte do antigo PCB.Certamente entregou muitos companheiros para serem torturados e mortos pela ditadura.Ninguém muda de uma hora para outra de caráter e convicção.

    • Carlos, vira o disco, esse papo de homofóbico já encheu o saco demais, parem de se fazer de coitadinhos com esse tipo de discurso, digo isso porque tenho vários gays na família que pensam exatamente como Eu.

  8. Quem dera houvesse travestis na Câmara. Será que esse velho repugnante não sabe que infelizmente as travestis ainda não chegaram no Câmara dos Deputados?

    E ele parece ser um bom conhecedor dos pontos onde as travestis fazem programa.

  9. Como frequentador assíduo da orla e conhecedor profundo dos “viados” ele deu um parecer e justificativa de quem intimamente está acostumado com os hábitos locais. Se eu passo em uma rua e tá cheia de buracos não passo mais. Só voltaria se eu gostasse das sacudidas.

    E pensar que idiotas como ele representa o povo brasileiro. 3 kilos de testa e 0 de cérebro.

  10. Ficou pior. Deu a entender que tem batedor de carteira dentro da casa. Alem de agredir a deputada, a chamou de ladra.

Deixe uma resposta