Köln, Deutschland – Após visitar Israel, onde proferiu palestra, o deputado Jean Wyllys, ao retornar, decidiu passar um fim de semana na cidade de Colônia, na Alemanha.

Esbanjando elegância, como sempre, o combativo deputado ignorou os alertas de seus assessores a respeito dos recentes casos de violência sexual naquela edilidade.

“Verás que um filho teu não foge à luta”, disse Wyllys.

O fato repercutiu nas colunas sociais de vários tabloides de Terrae Brasilis, ensejando um convite para que o ex-sister participe de uma sessão de fotografias no Castelo de Caras, convite que ainda não foi confirmado.

Ativista em defesa dos direitos das minorias, Wyllys aproveitou o ensejo para criticar a islamofobia, declinando, no entanto, convites para visitar a Faixa de Gaza.

“Fica pra próxima”, exclamou.

3 COMMENTS

  1. Ele juntou-se às feminazis, as quais alegaram que não se tratou de estupro coletivo, visto que os refugiados islâmicos podem ser considerados, para efeitos legais, como inimputáveis, já que desconhecem a tradição judaico-cristã-patriarcal de só mexer com mulheres através de abomináveis assobios. Jean também concorda que os ditos “estupradores” árabes são, na verdade, a parte mais vulnerável nesta luta de classes entre o ocidente machista e o oriente oprimido.

  2. Ele queixou-se de não ter sido abusado na onda de crimes sexuais na cidade de colônia e declarou que os agressores sexuais foram homofóbicos.

Deixe uma resposta