BRASÍLIA – O que podia parecer um gesto de solidariedade, se revelou uma verdadeira “pegadinha do malandro”, conforme divulgado na manhã de hoje pela imprensa especializada na área jurídica.

Isso porque membros do Partido dos Trabalhadores, como quem nada quer, ofereceram ao deputado Jair Bolsonaro os préstimos do ex-ministro José Eduardo Cardozo para defendê-lo no processo em que é réu no STF.

Estranhei quando recebi uma mensagem da Maria do Rosário, que foi quem manifestou interesse em me processar, dizendo que, apesar dos pesares, considerava fundamental o pleno exercício do direito de defesa e disse que o Cardozo estava à minha disposição”, declarou Bolsonaro.

A princípio pensei que a oferta seria para ajudar Cardozo a arregimentar mais clientes, já que atualmente a única fonte de renda dele é oriunda da advocacia, já que ele foi demitido do ministério”, complementou o parlamentar.

Bolsonaro revela, no entanto que, ao consultar assessores, se deu conta de que a proposta aparentemente generosa era, na verdade, uma tentativa de sabotar sua defesa para, ao fim, vê-lo condenado.

A acusação é de incitação ao estupro. Se o Cardozo, na condição de advogado de defesa, fosse citar Tomás Turbando ia complicar ainda mais a situação do deputado”, avaliou um jusfilósofo.

Além do mais, ele já se habituou tanto a repetir aquela frase ‘impeachment sem crime de responsabilidade é golpe’, que ele poderia até se confundir na hora de fazer a defesa em outro processo.”

Bolsonaro informou por meio de sua assessoria que agradeceu a gentileza, mas declinou da oferta.

Não mereço ser defendido pelo mesmo advogado que Dilma”, disse o parlamentar que, por conta da declaração, foi representado à Comissão de Prerrogativas da OAB mediante alegação de que estaria desejando a todos os acusados em processos criminais que fossem defendidos precariamente.

SHARE
Previous articleGleisi Hoffman processa Netflix e pede indenização por biografia não autorizada
Next articleSTF decide que prender Lula é inconstitucional
Joselito Müller é um personagem fictício que retrata as notícias do cotidiano. Numa classificação, seria um super-herói defensor dos… Defensor de nada, Joselito Muller é um personagem fictício que faz paródia de figuras públicas em situações cômicas. Nada é neste site é verdade, mas poderia ser. Além do charme, Joselito Müller é um competente jornalista, pioneiro no jornalismo de ficção brasileiro. Foi eleito três vezes consecutivas como um dos maiores filhos da puta da América Latina, além de ter sido indicado para o Pulitzer de reportagem mais escrota em 2013 e 2014.

4 COMMENTS

    • Indiciamento não é decisão. A denúncia contra ele foi apenas aceita, o processo ainda vai correr, tem muito chão…

      • Indiciamento é decisão sim. Tanto que cabe HC contra essa decisão, que é tomada pela Autoridade Policial. O caso Bolsonaro é que ele é réu perante o STF, em duas ações que foram juntadas: denúncia do PGR e Queixa-Crime da Maria do Rosário.. O STF, em seu malabarismos hemerneutico jurídico esquerdista achou de afastar a imunidade material do Deputado, para permitir a Açào Penal. Se houver condenação, pode fechar o pa[is, que aí estamos de vez mesmo nas mãos de uma corte bolivariana.

Deixe uma resposta