nervosa

O projeto de lei de autoria do deputado estadual amazonense, Wanderley Dallas, PMDB, irritou o deputado federal Jean Wyllys, PSOL, que tomou conhecimento do mesmo na tarde de hoje.

Segundo a proposta de Dallas, expressões da linguagem regional, como “piroca”, “cabaço”, “baitola”, “pinguelo” e “xibiu”, seriam transformadas em Patrimônio Cultural de natureza imaterial do Estado do Amazonas.

Dallas, que é da bancada evangélica, alegou que a proposta teve como inspiração o livro “Amazonês – termos usados no Amazonas”, de autoria do doutor em linguística pela Universidade de Campinas (Unicamp), Sérgio Freire.

Após a apresentação da proposta repercutir bastante nas redes sociais, nossa reportagem procurou um dos parlamentares que mais entende de piroca do assunto para falar sobre o caso. Jean Wyllys, que ainda não sabia do projeto de lei ficou bastante assustado ao ser informado por nossa equipe sobre o mesmo.

“Isso é um absurdo que só poderia ter partido de um membro da bancada fundamentalista religiosa. Daqui a pouco vão querer privatizar a piroca e o uso só vai ser acessível a meia dúzia de privilegiados.”, exclamou o parlamentar.

Wyllys disse que “a proposta é impensável e ridícula. A UNESCO deveria se manifestar e considerar a piroca como patrimônio da humanidade.” Ao ser esclarecido que a proposta do deputado amazonense se tratava apenas de reconhecer a palavra como patrimônio imaterial do estado, Wyllys se irritou e desejou que nosso repórter “sentasse na do jumento, com cerol”.

(Veja aqui notícia sobre o projeto: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2015/04/23/internas_polbraeco,480544/projeto-que-quer-piroca-como-patrimonio-imaterial-repercute-na-internet.shtml)

1 COMMENT

Deixe uma resposta