BRASÍLIA – Após julgarem a ex-presidenta Dilma Rousseff culpada por ter cometido crime de responsabilidade, o PMDB, partido do então presidente interino, Michel Temer, surpreendeu o país ao votar contra a inabilitação da ex-mandatária para a vida pública.

O posicionamento, que beneficiou a petista, foi articulado pelo presidente do senado, Renan Canalheiros, que chegou a afirma que não concordava com o brocardo popular de sua terra que diz “além da queda, o coice”.

Com a decisão, Dilma poderá ocupar cargos públicos, tais como o de professor universitária ou até mesmo o ministério da Fazenda ou presidência do Banco Central.

O presidente interino declarou na manhã de hoje, no entanto, que o posicionamento de seu partido se deu em conformidade com o seu já nacionalmente conhecido pacto com o Capiroto.

Temer revelou que “muitos líderes satanistas me criticaram quando rompi com Dilma, pois achavam que eu havia rescindido o contrato que firmei com Satã. Na verdade, eu não descumpri qualquer cláusula do contrato e, ao orientar o PMDB a votar contra a inabilitação de Dilma para a vida pública, cumpri integralmente o que foi acordado com o cara lá de baixo”.

Dilma Rousseff ainda não revelou qual será seu destino doravante.

Temer, por sua vez, já anunciou a implementação de políticas sociais de caráter satanista que devem ser implementadas ainda este ano no país.

1 COMMENT

  1. Provavelmente ela assumirá algum cargo da alto escalão no próximo governo, neste ela vai cozinhar a raposa, Aécio, enquanto come o galo Temer; e como o pacto é com o capiroto ela vai infernizar o restante do tempo da gestão atual; organizando e promovendo greve em cima de greve!!!

Deixe uma resposta