RIO DE JANEIRO – Uma iniciativa criativa de comerciantes do centro da cidade do Rio de Janeiro acabou se demonstrando ineficiente, contrariando a expectativa de muitos especialistas em segurança pública.

Preocupados com o crescente número de assaltos na região, os comerciantes decidiram colocar placas informando que estavam proibidos assaltos nas imediações.

A iniciativa, na época, foi elogiada pelo secretário de segurança e pelos comandos da polícia, já que, em tese, não haveria mais assaltos na região.

Ocorre que, surpreendendo e contrariando todas os prognósticos, a população amargou constatar o furto das placas, que ironicamente pretendiam coibir esse tipo de crime.

“Seria cômico se não fosse trágico”, disse u especialista em segurança. “Acontece que, diferentemente do que muitos podem pensar, as placas proibiam roubos, que é cometido mediante uso de violência e grave ameaça. O furto não estava proibido e foi isso que aconteceu com as placas.”

Comerciantes do bairro já estão mobilizados para colocar outras placas, dessa vez proibindo tanto roubo, como furto.

 

  • Sugerido pelos malucos do Bolsonaro Zuero
SHARE
Previous articleIntolerância e preconceito contra ladrão pode virar crime
Next articlePsiquiatra de DiIma recomenda renúncia e internação em hospício
Joselito Müller é um personagem fictício que retrata as notícias do cotidiano. Numa classificação, seria um super-herói defensor dos… Defensor de nada, Joselito Muller é um personagem fictício que faz paródia de figuras públicas em situações cômicas. Nada é neste site é verdade, mas poderia ser. Além do charme, Joselito Müller é um competente jornalista, pioneiro no jornalismo de ficção brasileiro. Foi eleito três vezes consecutivas como um dos maiores filhos da puta da América Latina, além de ter sido indicado para o Pulitzer de reportagem mais escrota em 2013 e 2014.

4 COMMENTS

  1. E o pior na placa é que o elemento roubado é notoriamente “di menor”, em flagrante desrespeito ao ECA… Eca!

  2. E o pior é que a placa é racista pois mostra um ladrão com cor de afrodescendente, E como a vítima é da mesma cor ela ainda mostra negros como passivos e vitimados.

  3. Sendo assim a manchete deve ser alterada fazendo constar:
    Placas proibindo roubos são furtadas no centro do Rio

Deixe uma resposta