BRASÍLIA – Impeachment iminente contra a presidente da República. Liminar no Supremo Tribunal Federal suspendendo o processo. Ameaça de cassação do presidente da Câmara dos Deputados. Instabilidade no país. Economia em crise. Fim da banda Calypso.

Essas são algumas das mais evidentes demonstrações do período conturbado pelo qual o Brasil passa, e pensando em reverter tal cenário catastrófico, a presidente Dilma Rousseff telefonou hoje pela manhã para o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, e propôs que o mesmo se filie ao Partido dos Trabalhadores, evitando, deste modo, a cassação de ambos.

“O país tá vivendo uma verdadeira suruba institucional, onde o STF manda o legislativo suspender o processo de Impeachmet, e o Cunha leva um cheque mate por causa das contas dele na Suíça. Se ele se aliar a nós, esquecemos as contas dele e ele esquece desse papo de Impeachment”, declarou a presidente Dilma Rousseff.

A presidente declarou também que sempre foi contra o que chamou de “política do tama lá, dá cá”, mas reconheceu que a medida é necessária para “que tudo volte à tranquilidade que era antes na capital do país, afinal de contas, uma mão lava a outra”.

Líderes petistas elogiaram a iniciativa, declarando que “se o Cunha vier, nnosso partido passa a ter a presidência da Câmara e o Cunha vai provar que não é corrupto. É um herói nacional, ao lado do Dirceu e Genoíno. Caso não filie ao PT, vai provar que é corrupto.”

Cunha não quis falar se aceitará o convite, mas deu a entender que tal decisão seria plausível, ao declarar que “essa acusação de contas no exterior é mentira da imprensa golpista”.

7 COMMENTS

  1. Como progressista independente que sou, sempre considerei Cunha, por trás daquele aparente véu de conservadorismo, um verdadeiro guerreiro do povo brasileiro…

Deixe uma resposta