CPC DA UNE – Após beijar a boca de outro cabra para provar que não é homofóbico, suscitando comentários maldosos a respeito de sua sexualidade, o ator Bruno Gagliasso anunciou na manhã de hoje que atuará na peça “Macaquinhos”.

“A peça tem uma proposta muito interessante ao questionar a moralidade hipócrita da sociedade, onde muitas vezes as pessoas ficam criticando a vida alheia sem se olhar para o próprio rabo.” disse o ator.

Ele declarou também que sua participação na peça “será uma tapa na cara dos homofóbicos e machistas que acham que um homem de verdade não pode beijar outro homem nem pode deixar outro cara cutucar seu cu.”

“Posso muito bem chupar uma piroca sem necessariamente ser gay”, filosofou o global.

A estréia do ator está prevista para acontecer em apresentação de gala que ocorrerá no Teatro de Arena José Celso Martinez Correa, na capital paulista, com data a ser confirmada.

20 COMMENTS

  1. O pior é ver esses analfabetos achando que a noticia é verdadeira. E eu super apoio o Bruno, porque uma mulher dar um selinho em outra todos aceitam mas quando é um homem todos criticam. Continua Bruno que tá pouco pra esses conservadores de merda!

  2. Joselito, não seria o caso de colocar um mega avisa no seu site dizendo que as notícias são “de mentirinha”… tem gente que acredita!!!!!!!!! Bem… isso só mostra o atual estado de coisas. As pessoas realmente confundem a realidade com a insanidade. Que zica!

  3. Vão se fude, isso é uma imoralidade. Por que vocês não catuca o cu das mães de vocês, que banca uma peça dessa.

  4. Alessandro Molon da REDE PETRALHA, já avisou que quer ser convidado para participar, além disto já destinou R$80 milhões de verba dos contribuintes para encenar Macaquinhos em todas as escolas do RJ, pois é para impedir o preconceito, parafraseando o carteiro da Vila del Chavo del Ocho, que quer evitar a fadiga.

  5. Jean Willis avisou que a muito tempo prova todo dia que não é homofóbico. Ele aaaaaadora. Falou que o Gagliasso depois dessa experiência também vai querer provar todo dia para inverja desses golpistas, racistas, lgbtfobicos e eleitores do Bolsonaro esse atrasado que é contra a liberdade do cu.

  6. Mas que palhaçada é essa ?
    Este conceito de liberdade de expressão e atos que estes atores demonstram neste “espetáculo” é totalmente desnecessário !
    Só acho, em minha opinião, que tudo tem um limite.

  7. Mas que palhaçada é essa !
    No que o mundo está virando ?
    Este conceito de liberdade de expressão e atos que estes atores demonstram neste “espetáculo” é totalmente desnecessário !
    Só acho, em minha opinião, que tudo tem um limite.

  8. Deu chupar uma piroca e ter o cu cutucado, a ter o cu cutucado por uma piroca a distancia n eh mt kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  9. Fica mais fácil ele assumir, do que dizer que isso que ele está fazendo é coisa de homem com H, nada contra, mas homossexual também se escreve com H. E isso que ele faz, por mais que ele diga, não é coisa de homem. E não sou homofóbico, mas quando o homem é homem e se sente um homem não precisa provar pra ninguém isso, um homem para provar não ser homofóbico, basta não querer matar, ou humilhar nenhum homossexual.
    Por exemplo, eu, não sou vagabundo, mas para provar que não sou preciso fazer o mesmo? Acho que não…

  10. Galera vocês por acaso ja leram um livro geralmente grande chamado “Bíblia” acho que não,então sem comentários para os que apoiam dedadas no cú!

  11. Acho que deveríamos lançar uma campanha na internet na qual as pessoas postariam fotos tomando dedada no cu para provar que não são homofóbicas. Desde já esclareço que não poderei participar por razões médicas ( hemorróidas ), mas dou a maior força.

    • Até hoje tenho dúvidas se isso tudo não passou de uma estratégia de propaganda para chamar a atenção da sociedade para o câncer de próstata… As mulheres na peça são um tapa na cara da sociedade opressora machista que insiste em dizer que mulheres não podem ter próstata, como se não fossem capazes disso. O direito à dedada no cu deve ser amplo e universal, e algum dia poderá vir a ser obrigatório.

Deixe uma resposta