Dilma atirou cabides na camareira

BRASILIA  —  Fontes ainda não identificadas no Governo Federal, afirmam que  todos os cabides e objetos perfurantes estão sendo removidos do alcance da Presidenta Dilma Rousseff após ter sido constatado que uma funcionária do Palácio da Alvorada, a residência oficial da Corte, foi acidentalmente agredida pela Suprema Mandatária.

A substituição dos objetos se deu por recomendação do psiquiatra oficial da presidente da República.

O episódio, documentado na história mundial como a “Guerra dos Cabides”, tem repercutido com intensidade na imprensa reacionária, tendo sido citado, inclusive, como símbolo do colapso do republicanismo no Brasil. O historiador Honorato Horácio Adamascult afirma:  “já vi muita loucura no governo desde os tempos de Vargas, o nosso melhor ditador, mas essa nos leva a um novo patamar.  Os poderosos fazem o que quiserem com a vida e a propriedade dos outros há mais de meio século, mas atirar cabides em uma camareira é algo inédito em nossa República.”

Para resguardar a segurança pública, todos os cabides na Presidência, Anexos I e II, foram substituídos por cabides de papelão usados em instituições psiquiátricas. O Ministro do Gabinete de Segurança Institucional, General José Carvalho Siqueira, responsável pela manutenção dos cabides e dos guarda-chuvas, explicou que “os novos cabides de papelão são ideais por oferecerem baixo risco de ferimentos, inclusive sendo de difícil inserção nos orifícios”.

SHARE
Previous articleSarney fala sobre o governo Dilma: “A culpa não é minha, eu votei no Aécio”
Next articleDilma pode ser enquadrada na Lei Maria da Penha, diz jurista
Joselito Müller é um personagem fictício que retrata as notícias do cotidiano. Numa classificação, seria um super-herói defensor dos… Defensor de nada, Joselito Muller é um personagem fictício que faz paródia de figuras públicas em situações cômicas. Nada é neste site é verdade, mas poderia ser. Além do charme, Joselito Müller é um competente jornalista, pioneiro no jornalismo de ficção brasileiro. Foi eleito três vezes consecutivas como um dos maiores filhos da puta da América Latina, além de ter sido indicado para o Pulitzer de reportagem mais escrota em 2013 e 2014.

Deixe uma resposta