PALMIRA – Um triste evento para a liberdade de imprensa marcou o dia de hoje em um episódio que envolveu o grupo democrático Estado Islâmico, o deputado federal Jean Wyllys e o jornalista brasileiro Joselito Müller.

Conhecido nacional e internacionalmente por seu arrojado jornalismo investigativo, Joselito havia publicado meses atrás que a presidenta Dilma Rousseff poderia nomear o referido deputado para ser embaixador do Brasil junto ao Estado Islâmico.

Passado o tempo sem que a nomeação se tornasse fato, inobstante a notícia cair no esquecimento, Joselito recebeu na tarde de hoje uma citação de um processo criminal movido pelo Estado Islâmico, que alega, em suma, que o bloguista cometeu crime contra a honra da organização ao associá-la ao nobre parlamentar.

Embora saibamos que o site do Joselito Müller tenha intenção (mal sucedida, frise-se) de fazer humor, no texto em comento seu intento está mais longe ainda de logra êxito, constituindo unicamente numa peça de difamação à nossa organização”, diz a petição assinada por um advogado árabe.

Questionado por nossa reportagem, Joselito lamentou o processo, voltando a afirmar que o animus jocandi denota a inexistência do dolo em cometer qualquer crime contra a honra do Estado Islâmico.

Ele responderá em liberdade, mas caso condenado, poderá ter que cumprir pena de até quinze anos em Guantánamo.

SHARE
Previous articleFavelados invadem casa de líder Sem Teto e acabam expulsos pela polícia
Next articleDilma quer votação do Impeachment em urnas eletrônicas
Joselito Müller é um personagem fictício que retrata as notícias do cotidiano. Numa classificação, seria um super-herói defensor dos… Defensor de nada, Joselito Muller é um personagem fictício que faz paródia de figuras públicas em situações cômicas. Nada é neste site é verdade, mas poderia ser. Além do charme, Joselito Müller é um competente jornalista, pioneiro no jornalismo de ficção brasileiro. Foi eleito três vezes consecutivas como um dos maiores filhos da puta da América Latina, além de ter sido indicado para o Pulitzer de reportagem mais escrota em 2013 e 2014.

Deixe uma resposta