O que era para ser uma tarde de descontração acabou virando caso de polícia.

Uma “pelada” num campo improvisado em um terreno baldio no bairro de Santa Maria, periferia de Aracajú-SE, acabou gerando um processo contra “Canhotinho”, que habitualmente joga de zagueiro no time da Rua Menequias Pimba, daquele bairro.

“Canhotinho”, como é conhecido o pipoqueiro Antônio Entuado da Silva Cachimbo, proferiu um xingamento contra o vizinho que atuava como arbitro da partida entre sua equipe, e o time dos solteiros da Rua Canal 02, quando foi atingido por um “carrinho” e ainda levou um cartão amarelo.

“O atacante do time deles chutou de dentro da pequena área, mas nosso goleiro conseguiu defender com a canela. A bola sobrou pro atacante do meu time, que tava impedido, mas o juiz não viu. Aí eu corri com ele pro ataque ele cruzou pra mim, quando eu tava na ponta esquerda da grande área do time adversário. Quando eu ia chutar, o zagueiro do time deles, que tinha subido pro ataque, veio por trás e me deu um carrinho criminoso. Foi então que o juiz, ao ver os dois no chão, pensou que eu tinha cometido uma falta de ataque e me deu um cartão amarelo”, explica Canhotinho. “Foi então que eu não me contive e chamei ele de juiz ladrão”.

Para azar de Canhotinho, no dia em questão, estava acontecendo atividades de um programa de justiça itinerante, e um assessor de um desembargador do Tribunal de Justiça de Sergipe ouviu o xingamento, comunicando o fato imediatamente ao seu superior.

Este, por sua vez, enviou representação ao Ministério Público para que fosse apresentada denúncia contra o popular, que deverá responder processo por injúria no Juizado Especial Criminal.

Questionado a respeito de não haver se dirigido a nenhum membro específico do judiciário, Canhotinho foi informado que isso é irrelevante, pois não será a primeira vez que alguém é condenado em razão de alguém do judiciário se sentir ofendido com palavras não proferidas a alguém específico, ainda que se trate de narrativas ficcionais.

Canhotinho declarou à nossa reportagem que não pretende nunca mais jogar bola na vida.

SHARE
Previous articleVai perder essa zuera?
Next articleEm defesa de Maluf, Lula critica “cleptomaníacofobia” do brasileiro
Joselito Müller é um personagem fictício que retrata as notícias do cotidiano. Numa classificação, seria um super-herói defensor dos… Defensor de nada, Joselito Muller é um personagem fictício que faz paródia de figuras públicas em situações cômicas. Nada é neste site é verdade, mas poderia ser. Além do charme, Joselito Müller é um competente jornalista, pioneiro no jornalismo de ficção brasileiro. Foi eleito três vezes consecutivas como um dos maiores filhos da puta da América Latina, além de ter sido indicado para o Pulitzer de reportagem mais escrota em 2013 e 2014.

Deixe uma resposta