Aproveitando a aprovação da chamada Lei da Palmada, que proíbe os pais de aplicarem aquela tradicional cinturãozada nos glúteos de filhos malcriados, a Secretária Nacional dos Direitos Humanos, Ideli Salvatti, decidiu honrar a tradição de sua antecessora e declarou com exclusividade à nossa equipe na tarde de hoje:

“Vou propor que a lei seja aplicada contra quem agredir os chamados assaltantes. Assim é bem possível que consigamos acabar com esse negócio de amarrar pessoas em conflito com a lei em postes”.

Advertimos a ministra que, caso publicássemos a declaração, ninguém iria acreditar, pois “sempre que publicamos algo no ‘Jornalismo Destemido’ as pessoas correm para conferir nos outros sites. Como a declaração só está sendo presenciada por nós, seremos a única fonte”.

Ao ouvir tais considerações, Ideli declarou que “o povo brasileiro pode confiar na blog do Joselito Müller. Garanto que a informação é verídica”.

Alguns segundos após a divulgação da declaração de Ideli, constatamos que o índice de assaltantes amarrados a postes no Brasil caiu drásticamente, o que foi comemorado por várias ONG’s defensoras dos direitos humanos, tais como o Instituto Pol Pot.

7 COMMENTS

  1. o cu de vcs… se um filha da Puta vier pra cima de mim ou da minha familia ta morto, o Brasil ja ta na merda e ainda faz isso

  2. Em tempo: o Instituto Pol Pot é uma organização sem fins lucrativos que visa fomentar o amplo debate na sociedade civil em prol de um mundo mais humano, fraterno, plural, justo e solidário. Apoia movimentos democráticos como MST, MTST, UNE, CUT, ISIS, PiSOL, UTC, OAS e outros de mesma natureza. É aliado do Instituto Luiz Inácio da Silva e da Fundação Carlos Marighella para o Progresso da Democracia.

  3. Os assaltantes cometem crimes por falta de perspectivas. Proponho que sejam criadas cotas de acesso à universidade para os brasileiros condenados por roubo ou por latrocínio. Melhor enviá-los para uma universidade do que para uma cadeia.

  4. E sobre a alternativa de dar com a cabeça dos assaltantes em qualquer poste e sair batendo palmas,a ministra não quis se pronunciar.

Deixe uma resposta