BRASÍLIA – Os alarmantes índices de violência tem ensejado pertinentes debates sobre segurança pública em todo país, sobretudo quando notícias sobre crimes bárbaros ganham destaque na grande mídia.
Especialistas em segurança são unanimes em dizer que as causas principais para a escalada de violência que tomou conta do Brasil são as armas, sejam elas de fogo, armas brancas ou até mesmo armas de brinquedos e armas virtuais utilizadas em jogos de vídeo game.
Preocupados com tal situação, parlamentares da bancada defensora de “uma cultura de paz”, apresentaram proposta de realização de referendo para proibição do comércio de venda de facas no Brasil.
Similar ao referendo realizado no ano de 2005, no qual os brasileiros, em sua maioria, se posicionaram contrários à proibição do comércio de armas de fogo no Brasil, este referendo serviria para consultar a opinião da população, sem o comprometimento de aplicá-la, caso contrarie a opinião dos democráticos desarmamentistas, como foi o caso da consulta popular anterior.
Baluarte da cultura de paz e dos direitos humanos, a deputada federal petista, Maria do Rosário é uma das signatárias da proposta.
Ela defende a proibição do comércio de facas no Brasil por acreditar que a medida irá reduzir a criminalidade.
Para Rosário, o principal problema do livre comércio é que todas as facas que circulam no Brasil estão em situação ilegal, sem qualquer regulamentação do governo, e acabam caindo nas mãos de bandidos. “O Brasil precisa desse processo de desarmamento. Está claro que temos milhões de facas no País e todas elas são clandestinas, o que acaba motivando situações de crimes não só como esse, que aconteceu no Rio, mas contra mulheres e crianças, sem contar que a maioria dos acidentes com facas no Brasil envolve crianças”, disse.
“Se tivermos clareza de que o objetivo de uma nova jornada de desarmamento são as facas ilegais e a sensibilização daqueles que possuem facas de que aquelas são as que caem nas mãos dos assassinos, podemos reverter e reduzir o número de mortes por facas no Brasil”, ponderou.

SHARE
Previous articlePara evitar estupros, OAB quer criminalizar porte irregular de piroca
Next articlePreso pela milésima vez, Rafael Ilha elogia Haddad e Jean Wyllys
Joselito Müller é um personagem fictício que retrata as notícias do cotidiano. Numa classificação, seria um super-herói defensor dos… Defensor de nada, Joselito Muller é um personagem fictício que faz paródia de figuras públicas em situações cômicas. Nada é neste site é verdade, mas poderia ser. Além do charme, Joselito Müller é um competente jornalista, pioneiro no jornalismo de ficção brasileiro. Foi eleito três vezes consecutivas como um dos maiores filhos da puta da América Latina, além de ter sido indicado para o Pulitzer de reportagem mais escrota em 2013 e 2014.

1 COMMENT

  1. Solicitem também para a nossa nobre deputada, que ela não esqueça de proibir também machados, machadinha, martelo, alicate etc…..todo mundo sabe que essas ferramentas são muito perigosas!!!!!
    quaqua
    quaqua………….

Deixe uma resposta