La Paz, Bolívia – O crime organizado na América Latina está preocupado com o aumento dos espancamentos de criminosos no Brasil, que têm aumentado consideravelmente.

Diversas organizações criminosas lideradas pelas FARC e pela Associação dos Cocaleiros Andinos (ACA) estão se solidarizando com os irmãos brasileiros revendendores de drogas e profissionais do tráfico.

Segundo essas entidades é um retrocesso na luta pelos direitos humanos essa prática de amarrar ladrões e traficantes em postes, e mais desumano ainda bater em bandidos.

“O vendedor de droga, essa profissão tão marginalizada, precisa de apoio do Estado. O traficante, muitas vezes precisa cometer um roubo, furto, pra sobreviver. E na maioria das vezes, usam armas, mas correm mais risco do que a vítima.”, diz Evo Duoxy, representante da ACA.

As entidades pedem que as autoridades se unam em campanhas pela paz e que reforcem a todo o momento o desarmamento, para evitar situações onde os traficantes encontrem qualquer resistência.

“Pedimos ao cidadão que tenha muita calma no momento do assalto. Nós chamamos esse momento de “justiça social”, onde podemos agraciar aqueles menos afortunados com objetos e valores que eles nunca puderam ter na vida”, completa.

As entidades irão entrar com uma representação no Senado pedindo desarmamento dos policiais e aumento no efetivo do policiamento.

Essas medidas visam diminuir o tempo de atendimento aos casos de espancamento e ao mesmo tempo dar condições para que o os chamados “justiceiros sociais” não sejam vítimas das pessoas despolitizadas que não aceitem socializar seus bens.

2 COMMENTS

  1. A representação no Senado já ganhou o apoio da ilustre parlamentar Maria do Rosário.

Deixe uma resposta