PORTO ALEGRE – Não é de hoje que o nome de Luciana Genro é envolvido em polêmicas, por conta de seus posicionamentos políticos.

Defensora do regime cubano e venezuelano, dessa vez a trotskista inovou ao propor a criação de um teto salarial na iniciativa privada, a pretexto de combater as desigualdades sociais.

A proposta, que recebeu o sugestivo nome de “salário máximo”, defende que salários de executivos de empresas sejam limitados, tomando como parâmetro o menor salário da empresa.

Uma ironia do destino, no entanto, pegou Luciana de surpresa, pois enquanto deletava comentários de críticos à sua proposta no Facebook, recebeu a informação de que seu pai, Tarso Genro, havia cortado sua mesada em 50%.

Com o corte, a dirigente do Psol passará a receber o montante de vinte salários mínimos cubanos, duzentos milhões de pesos, que equivale a quatrocentos tetralhões de dólares zimbabwanos, ou mil e quinhentos reais.

Estou desempregada e com esse corte não vou poder nem continuar pagando as prestações do meu iPhone”, declarou Lu visivelmente horrorizada.

O valor outrora pago periodicamente, era a título de pensão alimentícia, graças a um acordo celebrado na justiça em meados da década de oitenta.

Para reduzir o valor, a justiça levou em consideração o fato de Luciana ser maior, e aparentemente capaz de praticar os atos da vida civil.

Luciana disse que consultará seus advogados sobre a possibilidade de reverter a situação.

Defendo teto salarial na iniciativa privada, mas isso não significa que minha mesada deva ser cortada abruptamente sem qualquer justificativa”, desabafou.

SHARE
Previous articleAo se tornar ré no STF, Gleisi aciona PROCON contra Renan Calheiros
Next article“Quem defende a família é uma besta”, diz Marilena Chauí, que defende o PT
Joselito Müller é um personagem fictício que retrata as notícias do cotidiano. Numa classificação, seria um super-herói defensor dos… Defensor de nada, Joselito Muller é um personagem fictício que faz paródia de figuras públicas em situações cômicas. Nada é neste site é verdade, mas poderia ser. Além do charme, Joselito Müller é um competente jornalista, pioneiro no jornalismo de ficção brasileiro. Foi eleito três vezes consecutivas como um dos maiores filhos da puta da América Latina, além de ter sido indicado para o Pulitzer de reportagem mais escrota em 2013 e 2014.

1 COMMENT

Deixe uma resposta