BRASÍLIA – O imortal da Academia Brasileira de Letras e ex-presidente da República, José Sarney, foi homenageado na tarde de hoje na subsede do Ministério da Cultura por artistas que ocupavam o local em protesto contra o rebaixamento da pasta à condição de secretaria.

Entre os presentes, estavam integrantes do elenco do filme Aquário, agraciado com milhões de reais pela Lei Rouanet, mas rejeitado por críticos insensíveis em Cannes.

Os presentes rememoraram que o poeta José Sarney foi o criador do referido ministério, responsável, segundo historiadores, por criar a cultura nacional.

Antes do ministério da cultura não havia cultura, pois como é possível haver cultura sem ministério?”, questionou um cantor de hip-hop que na ocasião fazia uma apresentação.

Assessores do ex-presidente distribuíram exemplares do best seller “Marimbondos de fogo”, de autoria do pai de Roseana.

Na ocasião houve apresentação de artistas locais, seguida de um sarau de poesias de Sarney e, ao fim, a encenação da peça “Orifícios ocultos”, que expõe de forma visceral os preconceitos da sociedade contemporânea contra quem dispõe de seus orifícios de modo heterodoxo.

Deixe uma resposta